segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Você com você mesmo.























"Muitos temores nascem do cansaço, e da solidão. Descompasso, desperdício. Só o acaso estende os braços pra quem procura abrigo e proteção"...


É com a singela poesia do grande Renato Russo que iniciarei e finalizarei o meu post de hoje, que dentre outros assuntos, irá abordar a confiança em nós mesmos e a solidão...

Sabem aqueles instantes difíceis que paramos, respiramos fundo e mentalizamos... As indagações invadem nossas mentem e insistem em nos interrogar: Cadê todo mundo? Será que vou conseguir? Me sinto perdido, sozinho. Onde estão as pessoas para me auxiliar?

Infelizmente não estamos aqui a passeio, então nossas vidas estarão sempre permeadas de momentos conturbados, situações embaraçosas e desafios a nos colocarem vez ou outra em provas e armadilhas, cabendo a nós mesmos, única e exclusivamente a nós mesmos, vencermos os obstáculos e deixarmos a zona de perigo.

Claro que seria muito mais eficaz e conveniente se tivéssemos pessoas ao nosso lado realmente dispostas a nos auxiliar, nos estender a mão e nos impulsionar a diante... Muitas vezes as temos, outras vezes temos mas não enxergamos, e em outras ocasiões, não temos ninguém.

Este é o ponto culminante da mensagem... E quando nós não temos ninguém? E quando nos sentimos só? E quando temos pessoas mas não conseguimos as sentir de verdade?

Eu digo profundamente. Não superficialmente...

É fácil dizer: conte comigo, me liga, porque não me procurou, estou aqui, etc e etc. O difícil é se doar de verdade, se entregar deixando o orgulho e o egoísmo de lado, se colocando ali disposto a auxiliar pura e simplesmente, custando o preço que for.

Esquecer de si mesmo uns instantes e se entregar para outra pessoa são tarefas das mais árduas para alguns. Vai saber o real motivo disto.

Uma vez li uma mensagem edificante que dizia: toda pessoa que você conhece está travando um certo tipo de batalha, está passando por determinadas dificuldades. Não cabe a ninguém julgá-la, questioná-la, humilha-la... Nos cabe respeitá-la, compreendê-la e ajudá-la, pois sempre que estamos ajudando a alguém, quem de fato está sendo auxiliado somos nós mesmos.

Ficam estas palavras para nossa reflexão...

Mais cedo ou mais tarde, todos que estivermos passando por momentos complicados e instantes doloridos, estaremos à mercê de comentários que nos julgam, que nos taxam de vítimas ou até mesmo que nos acusam de criar/aumentar o que sentimos.

Menosprezar o pesar do outro ou ser indiferente aos sofrimentos alheios são atitudes cruéis, duras de serem digeridas, mas infelizmente todos nós passamos, estamos passando ou passaremos por situações semelhantes a isso.

Somente cada pessoa sabe o que sente, o quanto lhe é dura determinada dor ou o que tem feito para suportar certas coisas, então, vamos olhar para o outro como alguém digno de carinho, atenção, paciência e vamos estender as nossas mãos, mas estender com ternura e doçura, como se estivéssemos acalentando a nós mesmos em nossos mais íntimos dissabores.

Vamos oferecer o nosso melhor, mas também ter em mente algo muito importante, que no fundo não deixa de ser sorrateiramente triste: É aí que finalizo meu post, novamente remetendo as canções da Legião Urbana: "se quiser alguém em quem confiar, confie em si mesmo. Quem acredita sempre alcança"...

Hard moments... F.G.

9 comentários:

  1. Fêeeeeeee,
    Show de bola esse texto!!!
    Difícil achar alguém que se doa de verdade. Fora a figura da mãe, que jamais abandona um filho ... acho mesmo que esse alguém não existe, ou melhor, esse alguém está dentro de nós, é a nossa alma, nosso espírito, nossa essência, nosso EU!
    Parabéns pelo texto e obrigada pela reflexão! bjos, Vane

    ResponderExcluir
  2. Caramba adorei! escreve muito bem ... sucesso aí!
    beijos!

    ResponderExcluir
  3. Fêeeeeee, adorei mesmo!
    Nem preciso falar que eu amo seus textos né?!
    Mas esse post foi super pra mim, me fez refletir e pensar muito...
    mil beijos

    ResponderExcluir
  4. Fê... Parabens... esse texto esta exelente, descreve perfeitamente a frieza em que o ser humano trata seu proximo, onde a falta de companherismo, de amizade sincera um com outro, e também foram magnificas as sitações de Renato Russo e Legião Urbana...
    Gostei muito...
    Beijos e Abraços
    Denise Correa.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom! Eu sempre tive esse pensamento que colocou no texto, e com maior certeza nos últimos anos, pois pode ter certeza que cada um tem a sua hora do despertar. Muitos repetem essas palavras,só esquecem de colocar em prática! bjs.

    ResponderExcluir
  6. Ai ai, adoro passar por aqui e ler estes belos textos..
    Se cuida.

    ResponderExcluir
  7. zenir salete m. luziani21 de fevereiro de 2011 15:24

    meu querido...amei tudo que vc escreveu.
    continue a postar mais ..
    Deus abençõe vc sempre, levando essa palavras,histórias pra nos ensinar ou nos abrir nossos corações e nossas mentes...bjos. fk com Deus..

    ResponderExcluir
  8. Nos amar primeiro para depois amar os outros... Tudo a ver com o momento qê estou vivendo, e irei superar, se Deus quiser... Belissimo post... Parabéns mesmo!!! Grande abraço, fique com Deus!

    ResponderExcluir
  9. Fe, seu blog esta encantador.
    Esse post é um daqueles em que a gente lê e se identifica de imediato, sempre pensando "nossa, esse foi pra mim!". Mas na realidade, foi para todos nós. Porque são situações em que a vida está sempre nos colocando em prova. Ajudar, ser realmente mais amigo, mais amável, mais verdadeiro. Enxergar, como você disse, além do superficial. Porque todos estamos em busca de algo, de alguém... e geralmente nos julgamos impossiveis conseguir sozinhos.
    Todos fazemos algo errado, em que somos criticados. E todos fazemos coisas boas, em que raramente somos reconhecidos. O que importa, como já disseram, é (tentar) "fazer o bem, não importa a quem". Pena que nem sempre é assim!
    Estou aguardando anciosamente o proximo (lindo, como todos) post...
    Beijos!

    ResponderExcluir